• Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Ícone

© 2019 por Instituto Educacional de Bem com a Vida.

Rua Parnaíba, 345, São Francisco, Curitiba, PR

instituto@educacionaldebemcomavida.com.br

Tel: (41) 3015-4836 | (41) 99987-6781

PÓS GRADUAÇÃO ou

FORMAÇÃO LIVRE 

DANÇAS CIRCULARES-Uma Pedagogia Moderna

Calendário Acadêmico 2019

2 e 3 de Março: Almaval - Chácara
27 e 28 de Abril - Vilmar Conzatti - SC
18 de Maio - Domingos Valeski - PR
15 de Junho - Diego Santos - SP
27 de Julho - Carmela Bardini - PR
17 de Agosto
21 de Setembro
26 de Outubro
Novembro: *Imersão
14 de Dezembro

31 de Janeiro de 2020 - Entrega de TCC para quem faz como Pós Graduação

*Este calendário e  a ordem de alguns professores está sujeito a mudanças, se necessário, mantendo o conteúdo necessário.

*Imersão - não incluso hospedagem e alimentação

INVESTIMENTO

Inscrição: R$ 175,00

Valor total do Curso: R$ 5.395,00

 

Pagamento à vista R$ 3.890,00 + inscrição

 

Parcelamento em:

5 parcelas de R$ 1.079,00 (Bonificação Pontualidade R$ 260,00)

10 parcelas de R$ 539,50 (Bonificação Pontualidade R$ 130,00)

13 parcelas de R$ 415,00 (Bonificação Pontualidade R$ 100,00)

DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA

​*DUAS cópias simples do RG  

OBS.: Habilitação não é aceita pela Faculdade;

DUAS cópias simples  do CPF;
DUAS cópias simples do Comprovante de endereço atualizado e com CEP;
*DUAS cópias simples  do Registro Civil (nascimento ou casamento);

*DUAS cópias autenticadas do Diploma de Curso Superior
UMA foto 3x4.

 

*Documentos obrigatórios para Pós Graduação

*Para garantir sua vaga, envie por e-mail comprovante de depósito da tx de inscrição, juntamente com ficha de Inscrição preenchida

instituto@educacionaldebemcomavida.com.br

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

 

Pré-requisito: Não é necessário nenhum conhecimento prévio.

PROGRAMA

Esta Formação desenvolve habilidades de: Criatividade, Liberdade de Expressão, Motivação, Comunicação e Liderança. Totalmente prático, possibilita a maestria em condução de Danças Circulares para todos os públicos.

 

Organizações, empresas, faculdades, escolas, instituições religiosas,  hospitais, parques, ruas e outros.

 

Um curso muito divertido, energizante e profundo, abrindo o campo de trabalho em qualquer área.

Não requer conhecimento prévio e é indicado para todas as pessoas.

 

Pode ser cursado até mesmo por quem quer apenas se autoconhecer e superar as próprias limitações. Uma jornada de autodesenvolvimento lúdica e prazerosa.

 

CONTEÚDO

 

Práticas de Apresentação e Introdução;

Vivência Integrativa para Grupos;   

Histórico das Danças Circulares;

Códigos Dançantes: Simbologia da Dança Circular;

Consciência corporal e emocional na Dança Circular;

Inclusão social;

Superação da timidez;

Empatia e Rapport em Grupos;

Modalidades de Comunicação e Expressão Corporal;

Expressão Do Ser Integral;

Afetividade e Convívio;

Reconexão com o Sagrado pelo Movimento;

Danças Tradicionais;

Tradições dançantes: Dança Brasileira; Africana, Indígena;

Danças: Cigana, Celta, Grega, Indiana;

Danças: Italiana; Israelita;

Danças: Modalidades Senior’s e Infantis;

Danças Contemporâneas;

Libertação das amarras e couraças pelo movimento corporal;

Criatividade e Motivação interpessoal;

Criatividade e Espontaneidade Dançante – Dançaricando;

A arte de Criar coreografias;

Habilidades de Improviso;

Preparação para Focalizar Danças Circulares;

Práticas de Desafios possíveis e como superá-los;

Aprendendo a Trabalhar em Grupo;

Estágio Prático como Focalizador de Danças Circulares;

Imersão em Pousada;

Formatura e Celebração da Vida.

Nossa sociedade preocupa-se pouco com o presente. Ou vive agarrada ao que passou ou está sempre correndo atrás de algo que talvez venha. A depressão e a ansiedade imperam porque as pessoas esqueceram-se dos valores essenciais. Não percebem que o presente é a chave da mudança futura e adiam sempre suas decisões, esperando por algum milagre que as leve onde desejam. Revivem o passado e estancam em remorso e rancor, sem aprender as lições que a vida lhes deu. Retornar ao presente é essencial, urgente, vital.

Prestar atenção na própria respiração, ouvir os batimentos cardíacos, sentir os movimentos dos órgãos, reconhecer o fluxo sanguíneo e perceber a música que o nosso corpo dança incessantemente. Colocar a consciência no momento presente alivia a alma, acalma a mente, aconchega o corpo. A Dança Circular é um importante caminho na busca de experimentar o Presente. A música, o ritmo, os passos, todo esse conjunto de importantes elementos nos ancoram no atual, trazendo-nos uma percepção real de quem somos.

Os antigos povos, tidos como primitivos, executavam a dança no seu dia-a-dia como um momento Sagrado de conexão dialética entre o interior do dançarino e tudo que havia externo a ele. Nas danças em grupo, harmonizavam-se com o próximo através do toque respeitoso, da sincronia de passos e da música. Essa harmonização estava além da empatia; os indivíduos ao dançarem tornavam-se um só Ser.

Vivenciadas desta maneira as danças eram muito mais que uma atividade social, tornando-se um ato Sagrado, religioso (pois promovia o religar; o religar do indivíduo ao todo). Cada momento importante na vida do povo ou do indivíduo era marcado por uma dança. O nascimento de um filho, a primeira menstruação da menina, o casamento dos apaixonados, o florescer das árvores, a chegada do inverno e a morte, todos esses acontecimentos eram celebrados com alegria e recebidos com respeito e honra como sendo parte essencial do decorrer do mundo.

Com o avanço das civilizações rumo a eras cada vez mais tecnológicas, a humanidade distanciou-se da Natureza e a dança foi perdendo seu significado sagrado. Ainda assim, a música e o ritmo persistindo, inerentes à psique humana. As danças permaneceram vivas e mesmo que seu propósito do religare houvesse se perdido, a humanidade ainda precisava movimentar-se, sintonizar-se, viver a dança. Nesse ínterim os passos se tornaram mais técnicos, os objetivos mudaram passando de Sagrados a banais. A emoção da dança deu lugar a racionalidade do tecnicismo e até mesmo a belicosidade do militarismo. Nesse processo de dessacralização da dança a humanidade perdeu o contato com ela mesma e não mais pode se ver como sendo Gaia.

As mãos já não se uniam em um propósito comum, o individualismo tomou conta do pensamento moderno e abriu espaço para a grande doença da nossa era, a solidão.

O grande número de pessoas sofrendo com depressão, a fome, as guerras, o aumento dos suicídios nos países mais ricos, a violência, a dor, a apatia, a desesperança e as bruscas alterações no meio-ambiente são sintomas de um corpo adoecido. Gaia está doente, seu estado é grave e requer a nossa atenção, afinal muitos estão tão doentes quanto Ela. A Dança Circular Sagrada (re)surge então como um bálsamo para aliviar estas dores da alma.

Durante sua vida, Bernhard Wosien, bailarino e coreógrafo alemão, inicia sua caminhada em busca do resgate das danças típicas dos povos. Juntamente a um conjunto de alunos, Wosien viaja o mundo atrás das danças que outrora eram orações vivas de todos os povos. Quando retorna de suas viagens o bailarino vai a Findhorn, na Escócia, onde dá luz ao movimento hoje conhecido como Danças Circulares Sagradas. A partir do trabalho de B. Wosien as danças voltaram a se espalhar pelo mundo através de inúmeros focalizadores que ao abraçarem o ensino da dança tornaram-se curadores de si mesmo e consequentemente de Gaia.

Hoje temos nas Danças Circulares Sagradas, ou Danças dos Povos, um delicioso acalanto, no qual (re)encontramos o divino perdido e nos (re)conectamos ao que chamamos de Gaia.

Apesar de ainda pouco conhecidas, as Danças Circulares vão atingindo cada vez mais pessoas. Os focalizadores começam a disseminar cada vez mais as músicas e os passos Sagrados, levando um maior número de pessoas à luz que advém da dança.

Dança essa que não age só no espírito, pois é holística, sistêmica, trabalhando a mente, corpo e alma de maneira completa e total.

Uma forma suave e harmônica de encontrar paz, saúde e alegria de viver.

Utilizada em todos os locais, desde crianças, adultos, idosos... em escolas, empresas, reuniões familiares, ruas e parques.

Uma atividade psico-corporal para TODOS!

Sejam bem vindos.

 

“Dançamos a espiral da vida. No círculo somos tudo e todos. Nossas almas se fundem no passo ritmado do corpo, a mente se dilui no coração e então somos completos. Nessa Roda de Gaia, vivemos cada momento como o ato mais Sagrado de nossa vida, e assim como o amanhecer traz o louvor dos pássaros que cantam para glorificar a Deus, nossa dança nutre, cura e honra o magnífico ser que é a Terra.”

Diego Santos - Focalizador

_________________________________________________

 

BENEFÍCIOS FÍSICOS DAS DANÇAS

 

As Danças Circulares são antes de tudo um exercício aeróbico e portanto a sua prática atinge diversos níveis de atuação física.  Os movimentos fluidos e constantes trabalham a capacidade cardiorrespiratória do dançarino fazendo com que o volume de oxigênio dentro de seus pulmões seja cada vez maior. O coração se torna mais forte, à medida que aprende a bater compassadamente, mantendo o fluxo sanguíneo num ritmo adequado por mais tempo, permitindo uma maior oxigenação das células do corpo.

O corpo se beneficia ricamente com as danças. As pernas adquirem um tônus saudável e as panturrilhas são as que mais se fortalecem devido aos vários movimentos de pontas de pés e balanços. Os tornozelos, geralmente deixados de lado nos exercícios de musculação, se tornam firmes e flexíveis.  ​Os joelhos se firmam à medida que os passos são aprendidos e dançados com a combinação certa de flexibilidade e força. As coxas se torneiam já que as danças mesclam resistência e dinamismo.

A parte superior do corpo não fica de lado. Quadris se tornam flexíveis e leves, possibilitando um andar mais suave ao dançarino.

A cintura se molda devido aos movimentos de rotação do tronco, assim o dançarino (a) também fortalece os músculos abdominais (laterais e frontais), conferindo-lhes tenacidade e força. A lombar também se beneficia, flexibilizando-se.

Os ombros e braços se fortalecem nas danças de braços elevados, e nos movimentos fluidos que os membros superiores devem fazer nas mais diversas danças de mãos dadas.

Pescoço e nuca perdem a rigidez quando entregues ao ritmo da música, oxigenando mais o cérebro, beneficiando a memória e raciocínio. O gasto calórico é imenso. Os passos compostos permitem que o corpo gaste mais calorias que o normal. A repetição dos passos permite que o corpo aja instantaneamente, assim o dançarino (a) pode se concentrar na sua respiração e oxigenar muito melhor suas células, permitindo uma elevação da velocidade do metabolismo, que traz um emagrecimento mais eficaz e saudável. Mas as transformações físicas proporcionadas pelas Danças Circulares vão muito além dos músculos.

 

A combinação de passos estimula áreas pouco utilizadas do cérebro criando novas conexões neurais. O cérebro humano é acostumado a trabalhar de forma dividida, hemisférios direito e esquerdo controlam, na maioria das vezes, atividades distintas.

Quando desafiado a trocar tais informações o cérebro cria redes neurais que permitem um trabalho conjunto dos dois hemisférios.

Problemas de lateralidade são corrigidos com eficácia. Usar passos cruzados estimula novas conexões. A dança em roda estimula a percepção espacial, ajudando nos problemas de desequilíbrio e deslocamento.

 

As transformações são lentas e progressivas, ninguém dança por uma semana e sente as mudanças físicas profundas, mas com a regularidade da atividade pode-se perceber mudanças significativas em menos de dois meses.

 

BENEFÍCIOS EMOCIONAIS DAS DANÇAS

 

A dança libera o espírito para vagar entre a história de milhares de povos, diferentes caminhos são visualizados durante uma única dança. Quando nos entregamos de verdade ao movimento espiralado da roda nos entregamos ao turbilhão de emoções que existe dentro de cada um de nós.

As emoções são a base da saúde humana. Sabemos que quando estamos tristes ou deprimidos nossa imunidade cai drasticamente, deixando-nos suscetíveis a ataques de micro-organismos oportunistas. Trabalhar questões emocionais é essencial para se ter uma vida plena e saudável. Corpo e mente deve estar em harmonia como no antigo ditado “Mens sana in Corpore sano”.  Existem várias formas de se trabalhar as emoções, algumas mais tradicionais, como a Psicologia, outras mais artísticas como a pintura e a poesia, e algumas menos praticadas, mas profundamente eficiente como a Dança.

As Danças Circulares Sagradas têm um quê de especial. Elas surgiram há milênios, através de povos que tentavam expressar seus sentimentos em relação ao mundo através do movimento dos seus corpos. Assim estabeleceram uma estreita relação entre a Natureza, seus corpos e suas mentes. Esses povos foram capazes de celebrar o nascimento de uma criança, o desabrochar de uma flor, a intensidade do frio, a felicidade da colheita e a tristeza da morte com seus corpos, sem jamais esconderem de si mesmos o que cada uma dessas coisas significava; o movimento eterno e sagrado da Natureza.

Quando trazemos as Danças dos Povos de volta a vida, temos por objetivo fazer com que essa sacralidade se torne viva novamente.

Nas danças mais meditativas somos capazes de entrar em contato com aspectos profundos de nosso ser. Seus passos mais simples nos possibilitam o contato com o nosso interior, assim podemos nos observar com mais facilidade, sem nos preocuparmos em errar o passo. No meio desse turbilhão de emoções que somos, aprendemos a reconhecer sentimentos construtivos e destrutivos, e vamos além disso; aprendemos a respeitar ambos, como forma natural de nosso ser. Aprendemos a respeitar nossa integridade, e assim somos capazes de viver de forma mais plena.

Nas danças mais rápidas e ágeis encontramos nosso lado criança, nossa felicidade pode se expor e somos só alegria. Descobrimos uma flexibilidade há muito perdida, que reflete a flexibilidade de nosso espírito, a capacidade humana de se adaptar a tudo, e de ir além das tristezas e celebrar sempre a vida. As danças agitadas acendem nosso fogo interno estimulando traços extrospectivos. Entramos em contato com nosso ímpeto, nossa força ígnea, descobrimos uma força de vontade desconhecida pela maioria, e mais, vivemos uma alegria capaz de espantar a mais profunda das depressões.

As produções de serotonina e dopamina aumentam de acordo com a profundidade que nos entregamos à dança, evitando estados depressivos. A descoberta de novas habilidades e sensações cria o ambiente mental saudável, capaz de ir contra a baixa autoestima, estimulando a autoconfiança e a perseverança.

As danças em roda estimulam a inclusão, cooperação, resiliência e a afetividade saudável, restabelecendo a intimidade que se perdeu com o próximo, tornando-os mais humanos e sensíveis.

As danças em pares incentivam o companheirismo e promovem a troca de olhares, tão perdida em nossa sociedade. Fixar um olhar com atitude correta é considerado sinal de sinceridade e boas intenções. Através do olhar colocamos a alma em evidência e assim mostramos que ainda somos capazes de confiar uns nos outros.

Como todo movimento artístico, as Danças Sagradas inspiram o melhor de cada um, fortalecendo nossa alma (seja ela entendida como quisermos).

________________________________________________________________

POR ANDRESSA BASILIO - PUBLICADO EM 14/07/2010

 

Mas por que a dança é tão agregadora? A dança foi a primeira forma de expressão criativa do ser humano e expressava uma conexão com o sagrado e com o mundo que estava em sua volta, e a roda foi a forma que os povos antigos adotaram para desenvolvimento da vida em grupo e social. 

Apesar de acompanharem a história da humanidade, as danças circulares se tornaram mundialmente conhecidas na década de 60, quando o bailarino alemão Bernhard Wosien (1908-1986), ao entrar em contato com a dança em visita às tribos do interior do leste europeu, adotou os passos e repassou adiante com o objetivo pedagógico. No Brasil, a atividade vem se propagando desde os anos 1980. "Essas danças refletiam a necessidade de comunhão, celebração e união entre as pessoas e, por isso, Bernhard viu o quanto elas eram transformadoras e acabou divulgando e adaptando os movimentos de forma que todos pudessem fazer parte do grupo", explica a psicóloga e adepta da dança circular, Gabriela Bessa Barreto. 

Assim, o primeiro ponto que chama atenção certamente é que a dança circular permite entrar em contato com culturas antigas e distantes de nosso tempo. "É um resgate da dança, dos movimentos e das músicas de outros povos e do nosso povo também, já que hoje temos bastantes passos lúdicos de ciranda e de outras danças folclóricas, típicas da cultura brasileira", acrescenta Gabriela. É só começar.

"Não precisa de nenhum tipo de conhecimento de dança para participar. A gente até brinca que na roda ninguém erra, só varia os passos. O movimento feito em roda é quase auto-explicativo e muito fácil de se aprender", explica Arlenice Juliani. 

As danças são feitas, geralmente, com as mãos dadas para que se crie um fluxo de energia entre as pessoas que vai sustentar todo o ambiente no qual a dança é feita. As músicas utilizadas e as coreografias variam de acordo com a região de origem. "Cada dança traz uma história de um povo e por isso, dizemos que com a dança circular você viaja pelo mundo e para o passado", explica Arlenice.  

O que há de especial na dança circular? Bem, primeiro é preciso notar que qualquer dança tem a clara função de estimular a sensação de bem-estar. Os movimentos fazem bem para o corpo e para a alma. Mas, o objetivo maior desse tipo de dança é a integração.

"Quando você dá a mão para alguém que nunca viu está se abrindo para o outro e formando um círculo energético que provoca melhoras no relacionamento social.  A dança circular estimula o autoconhecimento e, por ser feita em roda, o conhecimento em relação ao outro. Além disso, ela contribui para aprimorar as nossas noções de espaço e consciência corporal", explica a psicóloga Gabriela Bessa. Com a interação, as danças circulares também provocam a rápida reflexão sobre o trabalho em equipe, compreensão sobre conflitos, ajuda a despertar a criatividade, a integração dos hemisférios cerebrais, estimula a coordenação, a flexibilidade e ainda, ativa uma espécie de meditação dinâmica, "Como tudo o que fazemos com o físico se reflete no psicológico, as danças circulares deixam as pessoas mais alegres e entusiasmadas, trazem leveza, serenidade e bem-estar ao corpo e ao espírito", completa Arlenice Juliani.  

A eficiência desse tipo de dança já está mais do que provada por aí, já que está cada vez mais recorrente o trabalho em hospitais, presídios, escolas e empresas. "O trabalho em hospitais tem crescido muito, como forma de ajudar na reabilitação e integração de pessoas que sofrem dos mais variados males. Pacientes com depressão, por exemplo, não saem os mesmos de quando entraram para uma roda de dança circular. É um tipo de terapia que envolve a área verbal, a integração, o autoconhecimento e traz um pouco de arte, por isso é muito eficiente", acredita a psicóloga Gabriela Bessa, que usou a dança circular como parte do tratamento de alguns pacientes.

 

Educação e diversão

Nas escolas, a dança circular também pode ajudar na formação do aluno. "Além de mostrar a força do grupo e estimular a quebra de preconceitos e abertura para o outro, as atividades com dança circular ensinam mais sobre as matérias. Aprender sobre a história, geografia e culinária dos povos gregos, por exemplo, pode ficar mais divertido e estimulante com as danças circulares."

 

CENÁRIOS DE VIVÊNCIAS

Palestras Complementares;

 

METODOLOGIA CIENTÍFICA

TCC: Trabalho de Conclusão de Curso (Artigo) para a Pós Graduação. 

Método expositivo, dinâmicas de grupo, reflexões ativas com técnicas e exercícios práticos. Práticas com supervisões.

"Só se aprende... fazendo”.

Toda Formação será Essencialmente prática, envolvida em conteúdos teóricos para desenvolver a cognição destes saberes.

 

Cada encontro será um Laboratório de Aprendizagem onde a experiência individual e de grupo, buscará integrar as dimensões do Ser: Pensar, Sentir e Agir.


“O participante vivenciará cada Dinâmica, cada Dança, compreendendo o seu significado e aprenderá a repassar adequando a cada público”.

PÚBLICO-ALVO 

Profissionais de todas as áreas.

 

E para todos que querem  se autodesenvolver e encontrar a ALEGRIA DE VIVER.


COORDENAÇÃO DO CURSO 

Vânia Lúcia Slaviero

PROFESSORES: Vânia Lúcia Slaviero - Diego Santos - Domingos Valeski - Ana Jacomel -  Vilmar Conzatti - Carmela Bardini - Luiz Henrique Garcia - entre outros profissionais. 

 

CARGA HORÁRIA

360 HORAS

DURAÇÃO

1 ANO

Certificação - Os certificados serão expedidos, atendendo ao disposto na Resolução 01/2007 do Conselho Nacional de Educação, pelo ISULPAR Instituto Superior do Litoral do Paraná  em parceria com o Instituto Educacional de Bem Com a Vida.